Economia

Finanças planejadas

Preocupação com futuro colabora para maior procura de planejadores
Lucas Rocha
195 - 21/04/2017

Pedro Vilela/Agência i7A ideia de se ter um planejador financeiro por muitos anos esteve associada apenas a pessoas mais ricas e que possuíam grandes patrimônios. Na prática, consultar um profissional desses é na verdade uma necessidade que não olha para classes e nem para o saldo no banco. Pelo contrário, no contexto em que vivemos se torna cada vez mais útil ter o acompanhamento de um planejador que tenha experiência, e, principalmente, a confiança que o cargo exige.

Inserido no mercado financeiro desde 2008, o planejador financeiro certificado Bruno Souza explica as funções do profissional: “O planejador é um multiespecialista sobre os aspectos financeiros que uma pessoa pode ter. É um serviço indicado para quando alguém quiser tomar qualquer decisão financeira, como por exemplo, definição de metas financeiras realistas, qual o valor deve colocar na aposentadoria ou quanto colocar no seguro”, explica.

Depois de encontrar o planejador ideal, o processo deve ser feito em passos onde o cliente e o contratado possam dividir as informações necessárias, entender como é a vida financeira da pessoa, suas restrições e obrigações. Depois de pegar essas informações será possível entender melhor o que pessoa gostaria de fazer ou ter e assim indicar e acompanhar o melhor caminho para alcançar o objetivo proposto.
O acesso a dados tão pessoais coloca o planejador financeiro em posição de extrema confiança com seu cliente. É por isso que ainda na década de 1970, o mercado nos EUA viu a necessidade de padronizar a prática porque era crescente o número de casos de conflitos de interesses. “O Certified Financial Planner veio para padronizar quais as capacidades que o planejador deve ter e determina termos de princípios éticos na profissão. O que diferenciou desde então foi que o cliente pode confiar e deve procurar um profissional certificado porque isso significa que ela passou por um processo rigoroso que exige muito conhecimento e experiência na área”, conta Bruno. No

Brasil, o órgão responsável por emitir o CFP é a Associação Brasileira dos Planejadores Financeiros, a Planejar.
Nome por trás do escritório Consultório Financeiro, em Belo Horizonte, onde oferece todos os tipos de serviços no setor e profissionais qualificados, e embaixador da Planejar no estado, Bruno tem tido nos últimos tempos como sua maior missão desmitificar a imagem da profissão e incentivar a valorização da categoria. Não à toa, ele é responsável por organizar o evento de Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef), em maio. “O evento acontecerá em todo o país com o propósito de levar educação financeira para quem não tem acesso. Serão planejadores certificados que estão se prontificando para participar de forma voluntária e que vão fazer palestras abordando os mais diversos temas tanto para quem trabalha no mercado financeiro quanto para quem tem interesse no assunto”, revela. Para quem tem interesse em palestrar ou participar, pode entrar em contato pelo e-mail bruno@consultoriofinanceiro.com.




Comentários