Coluna

Entre Aspas

Sueli Cotta
199 - 16/06/2017

1 Os sinais e as incertezas

As sucessivas crises têm gerado mais do que incertezas. Que o digam os 14 milhões de desempregados. O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega tem acompanhado os empresários mineiros para encontrar alternativas para evitar que o setor produtivo se afunde no processo. Apesar da turbulência, Nóbrega acredita que os sinais de saída da recessão são reais e, com ela, vem a recuperação da confiança. Otimista, ele aposta que as previsões de redução da inflação para cerca de  4%, em 2017, e 4,35%, em 2018, vão se confirmar. Os juros devem cair para menos de um dígito, o que pode impulsionar o crescimento.  Mas, avisa: a crise política vai continuar na pauta.

2 Revoada tucana

A pressa do presidente do diretório estadual do PSDB, Domingos Sávio, em pular do barco do senador mineiro Aécio Neves, após a denúncia da Procuradoria-Geral da República, irritou muitos tucanos. Sávio está sendo chamado de traidor por membros do partido. Mas ele não é o único. Outros parlamentares próximos a Aécio também tiveram o mesmo comportamento.

3Análise sem demora

Durante 13 anos, o governador Fernando Pimentel (PT) reclama que foi acusado e caluniado devido a uma denúncia rejeitada no dia 7 de junho, por unanimidade, pelo Superior Tribunal de Justiça. O processo, movido pelo Ministério Público do estado, em 2004, questionava a falta de licitação para implantação do Projeto Olho Vivo, programa na área de segurança na PBH. Pimentel  se diz aliviado e feliz, mas reclama que o desgaste político e moral permanecem. “Isso faz parte da vida política”, mas espera que os outros processos que existem contra ele, sejam analisados sem tanta demora e que “se traga a verdade à luz”. “Eu tenho a consciência tranquila. Não tenho nada escondido, não tenho conta na Suíça, não tenho imóvel escondido. Minha vida foi devassada nos últimos dois anos e meio com essas investigações e não encontraram nada contra mim”, afirma. Pimentel pondera que não basta a palavra de um delator preso para dizer que aquilo é verdade e disse que está muito cauteloso com as denúncias que têm surgido.

4Turistas para festas juninas

Uma das principais dificuldades
do setor hoteleiro é o de tornar Belo Horizonte um roteiro atraente para os turistas. Com a média de ocupações dos hotéis entre 42% e 45%, a nova presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-MG), Érica Drumond, quer atrair mais visitantes aproveitando-se das festas juninas. A capital entrou, neste ano, no edital de festejos juninos do Ministério do Turismo e da Embratur entre os cinco maiores destinos turísticos do país no período. Ela pode enfrentar resistência, no entanto, com o novo ocupante da pasta de Turismo na prefeitura, o ex-ministro Juca Ferreira (PT), um baiano de Salvador, com pouca intimidade com o jeitinho mineiro.

 

5 “Aquele que se sabe profundo esforça-se por ser claro; aquele que gostaria de parecer profundo à multidão esforça-se por ser obscuro”.
Friedrich Nietzsche - filósofo alemão (1844/1900)




Comentários