Viver Fashion

Moda consciente

Rodrigo Cezario
203 - 01/11/2017

foto  thiago lopesApós décadas sustentando uma superprodução calçada na exploração desenfreada de recursos humanos e naturais, a indústria da moda finalmente parece compreender a necessidade urgente de alterar seus processos produtivos.


As marcas se preocupam não somente com suas próprias etapas de produção, mas também com os direitos humanos e com o impacto social. O consumidor quer mostrar que ter poder de compra não significa comprar mais, mas poder escolher melhor o que comprar.
A Libertees é uma marca de roupas com alto impacto social: as estampas da coleção de outono foram desenvolvidas por detentas da penitenciária Estêvão Pinto, na capital. Graças aos desenhos produzidos por estas mulheres, durante as aulas de arte, os índices de violência da penitenciária caíram consideravelmente. Parte da renda obtida através da venda das peças é revertida para a escola de artes do presídio.
Já a Grama desenvolve roupas com design atemporal por meio de técnicas e materiais sustentáveis, além de promover parcerias com artesãos, associações e pequenos produtores, valorizando saberes tradicionais regionais.


foto  pedro gontijoO Estúdio NHNH é uma marca de sapatos veganos. O nome, abreviatura de no head, no hands – do inglês “sem cabeça, sem mãos” – foi escolhido para transmitir a ideia de que, em seu processo de produção, não são sacrificadas cabeças de animais ou mãos humanas. Além disso, todas as peças são unissex e são utilizados materiais reciclados.




Comentários