Artigo

Reforma urgente

Olavo Machado
206 - 05/02/2018

Com o fim do recesso parlamentar, deputados e senadores retornam com a missão crucial de aprovar a reforma da Previdência. Ao agirem assim, criarão condições para a construção de um Brasil moderno, mais justo e equilibrado, sem privilégios e mais igual para todos. Também criarão ambiente propício a maiores investimentos em infraestrutura de apoio ao setor produtivo e em áreas fundamentais para a população: educação, saúde, saneamento e segurança pública.
Esta é a posição defendida pelas entidades representativas do setor produtivo mineiro. Mobilizadas no Fórum das Entidades Empresariais de Minas Gerais, estas instituições renovam e reafirmam seu mais irrestrito apoio à reforma. Nosso posicionamento se fundamenta na constatação de que não é mais possível conviver com o rombo anual de R$ 305 bilhões. Com a economia de R$ 1 trilhão até 2028, seria possível construir, por exemplo, 1 milhão de casas populares/ano. Também seria possível construir 221.664 escolas e 40.786 hospitais.
Reformar a Previdência, portanto, significa estancar uma sangria. Dezenas de nações mundo afora já reformaram seus sistemas previdenciários, adequando-os à nova realidade demográfica e expectativa de vida. Enquanto os brasileiros se aposentam, em média, com 59,4 anos, na maioria dos países, a idade é bem mais alta: Itália (61,4), Grécia (61,6), Espanha (62,2), Turquia (65,2), Estados Unidos (65,9), Portugal (67), Chile (70,9) e México (72).
Soma-se ainda a necessidade de corrigir injustiças. Hoje, a aposentadoria dos trabalhadores de empresas privadas é limitada ao teto de R$ 5.531, sendo que 64% dos beneficiários recebem apenas um salário mínimo. No setor público, a situação é bem diferente: as aposentadorias chegam a R$ 10 mil, R$ 20 mil e ao completo absurdo de mais de R$ 30 mil. A reforma poderá promover maior equilíbrio nesses valores, reduzindo privilégios inaceitáveis.
Por todos estes motivos, a indústria mineira está ao lado daqueles que querem construir uma nação próspera, geradora de riqueza e justa na distribuição dos frutos do crescimento econômico. Não podemos mais esperar. 




Comentários