Especial Nova Lima

Comércio independente

Setor de serviços se expande do centro para as regiões do Vila da Serra, Jardim Canadá e Alphaville
Fernando Torres
206 - 05/02/2018

Pedro VilelaEmbora esteja próxima da capital, Nova Lima tem vida totalmente independente no que diz respeito à variedade de serviços e de comércio. O zum-zum-zum começa no centro. Os arredores da praça Bernardino de Lima e da rua Antonino Fonseca Jr. concentram supermercados, agências bancárias, vestuário e calçados, restaurantes, lanchonetes, hortifrutis, casas lotéricas, padarias, laboratórios, drogarias e clínicas, além de lojas como Drogaria Araujo, Ponto Frio, O Boticário, Cacau Show, Ortobom Colchões e Brasil Cacau.
Também há por ali lojas que já passaram de meio século. A exemplo da Casa Atenas, aberta em 1958 pelo grego Constantin Jean Coujians e a mulher, Natalina. “Ele começou a vender roupas na rua. Só depois, abrimos uma portinha”, conta a empreendedora, viúva, que coordena a empresa ao lado dos quatro filhos. A família tem hoje cinco lojas, três delas na rua Benedito Valadares: a matriz, a Atenas Confecções; a Sapataria Delfos; e a Casa dos Brinquedos, onde era a tal “portinha”. Já a rua Santa Cruz concentra a Sapataria Atenas e a Casa Sparta. “Vendemos de tudo: roupa de criança, de adulto, lingerie, tapetes, lençóis, toalhas. E ainda mantemos a tradição do crediário.”
Outra velha conhecida é a Casa Estrela, aberta nos anos 1930. Também com cinco unidades, a empresa está nas mãos da família Wardi desde 1939, quando o patriarca Alfredo adquiriu o estabelecimento onde trabalhava. A matriz fica na praça Antonino Fonseca Jr., de frente para a Casa Estrela Calçados e Acessórios. O grupo tem mais uma unidade na rua Santa Cruz (a antiga Tecidos Cometa) e duas no Bonfim, uma de calçados e outra de confecções.
Mais recentemente, Nova Lima também foi terra de oportunidades para Marcos Raimundo das Graças, dono da rede Sacolão Máximo. De Conceição do Mato Dentro, ele se mudou em 2005 para trabalhar em um hortifruti. “Não tinha dinheiro para aluguel, então, dormia em frente, na praça Bernardino de Lima. Até que meu patrão ficou sabendo e me deixou dormir no depósito”, conta, segurando as lágrimas. Três anos depois, Marcos propôs ao dono comprar o estabelecimento. Negócio feito, ele elevou o faturamento diário de R$ 250 para
R$ 600. Já com o atual nome, abriu outras cinco unidades próprias na cidade, nos bairros Cabeceiras, Retiro, Ipê e Jardim Canadá e a matriz, na avenida José Bernardo de Barros. “Ainda hoje, vou quase toda madrugada ao Ceasa para abastecer as bancas.”
Subindo a MG-030, Nova Lima se depara com os bairros Vale dos Cristais, Vale do Sereno e Vila da Serra, além dos condomínios de casas. Para esse público, um bom atrativo é o Serena Mall, shopping com unidades dos supermercados Super Nosso e da Drogaria Araujo, o bufê infantil Dream Ville, a loja de materiais de construção CNR, o empório saudável Mundo Verde e salão de beleza, entre outros.
Pedro VilelaJá a Alameda Oscar Niemeyer, epicentro do bairro Vila da Serra, tem comércio amplo. Só para citar: hotel Mercure, Tool Box, Lojas Rede, Alta Energia, Boca do Forno, padaria Boníssima, Kopenhagen, Drogaria Araujo, os salões de beleza Tif’s e Marcus Martinelli, a boate Wood’s, o terminal Conexão Aeroporto, além de diversos restaurantes e bares.
Destaque também para o serviço hospitalar, representado pelo Biocor Instituto, pelo Hospital Vila da Serra e pelo Hospital de Olhos Ricardo Guimarães. Os arredores também concentram centros educacionais: o Colégio Santo Agostinho, no Vale dos Cristais; o Instituto Metodista Izabela Hendrix; e dois campi da Faculdade Milton Campos.
Nova Lima ainda se estende para a região chamada de Vetor Sul. É lá que se instala o Jardim Canadá, famoso pelas casas de festa, que recebem os principais eventos da região metropolitana. Ficam praticamente enfileirados na rua Niágara e perpendiculares os salões BHZ Espaço, Niágara, Domus XX e Far East – vale citar ainda o Mix Garden, do outro lado da BR-O40, e o Espaço Província, na rua Walpoli. O bairro ainda tem lojas de materiais de construção, supermercados, laboratórios, consultórios, restaurantes, cervejarias e sacolões.
Lojas de móveis também sobressaem no Jardim Canadá. É o caso da Moov, na rua Niágara. “Trabalhamos scom objetos de marcenaria, adereços importados e obras de artistas como Hamilton Aguiar, Angélica Aoki e Renata Gandra”, descreve a proprietária Eva de Souza. A poucos passos dali, a MC Antiguidades é um verdadeiro parque de diversões para arquitetos e colecionadores: a loja mescla peças coloniais autênticas a réplicas museológicas.
O Alphaville, por sua vez, assegura vida comercial própria no shopping às margens da lagoa dos Ingleses. Ponto alto para as lojas de esporte, como a Off Camber Bike Shop, especializada em mountain bike, e a Jasper Mountain Hardwear, com roupas e calçados térmicos e impermeáveis. “Nosso público são praticantes de corrida e montanhismo, já que o condomínio está cercado por dezenas de trilhas e, em julho, será sede do festival multiesportivo XTerra”, relata o proprietário Henrique Saldanha.
Para por à prova a independência, o Alphaville ainda tem: academia de ginástica, loja de utilidades domésticas e de decoração, papelaria, ótica, esmalteria, escola de música, lavanderia, escolas, salão de beleza, galeria de arte, escritórios de advocacia, clínicas, posto de combustível, unidade do hotel e-Suites, padaria, cafés, restaurantes, empórios e uma infinidade de imobiliárias. Sim, afinal, com tantos serviços, quem não gostaria de morar em Nova Lima? vb




Comentários