Especial imóveis

Leve retomada

Depois de quatro anos seguidos de queda, Sinduscon-MG aposta que o setor de construção civil irá crescer 2% em 2018
Marcelo Moreira
207 - 05/03/2018

Pedro VilelaOs próximos dez meses reservam perspectivas positivas para a construção civil em Minas. Pelo menos é o que apontam os dados do balanço anual do setor, divulgados pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-MG). Depois de quatro anos sucessivos de quedas e retração acumulada de 25,86%, a expectativa é de crescimento de 2% em 2018, acompanhando a tendência nacional de retomada econômica.
Para se ter uma ideia, de janeiro a setembro de 2017, o PIB do setor em Minas caiu 7,7%, em comparação ao mesmo período do ano anterior, segundo os dados da entidade. Só na região metropolitana, o número de trabalhadores com carteira assinada, que em outubro de 2016 era de 143,2 mil, passou para 136,9 mil: redução de 4,4%. “Tivemos um retrato ruim, mas foram plantadas sementes positivas para 2018. Estamos esperando um ano de recuperação expressiva e números positivos”, avalia José Francisco Cançado vice-presidente da área imobiliária do sindicato.
Entre os dados do mercado imobiliário de Belo Horizonte e Nova Lima, o que chama a atenção é o baixo estoque, de 17,5%. Os números apontaram 3,6 mil unidades residenciais disponíveis para comercialização em outubro de 2017, menor patamar da série histórica (outubro/2015) e abaixo das 5 mil consideradas ideais. De janeiro a outubro de 2017, o número de apartamentos vendidos (1,6 mil unidades) foi 198% superior aos lançamentos (560 unidades), que, por sua vez, caíram 73,5% em relação a 2016. Ao todo, foram lançados 18 empreendimentos residenciais no período.
“O estoque baixo eleva o preço dos imóveis novos a índices mais altos que a inflação. Entre janeiro e outubro de 2017, o preço médio do metro quadrado em Belo Horizonte e Nova Lima (R$ 7,8 mil) subiu 4,39%, enquanto a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 2,8%. Mesmo assim, ainda é o momento ideal para comprar. Caso a recuperação esperada se confirme, podem faltar unidades na região e haverá ainda mais impacto no preço. Por outro lado, teremos uma pressão no mercado imobiliário, o que vai impulsionar a construção civil”, avalia Daniel Furletti, economista do Sinduscon.
Em Belo Horizonte, as regiões Centro-Sul, Oeste e Pampulha foram as que mais se destacaram na venda, com índices de 25,8%, 22,7% e 18,8%, respectivamente. Centro-Sul (35,2%) e Oeste (33,2%) também são campeãs nos lançamentos de imóveis residenciais de janeiro a outubro de 2017 e, juntas, respondem por 383 das 560 unidades lançadas: 68,4% do total.
Os padrões que registraram o maior número de vendas foram: médio, com tíquete de até R$ 700 mil (27,5%); standard, até R$ 400 mil (20,3%); econômico, até R$ 215 mil (15%); e alto padrão, até R$ 1 milhão (13,5%). Já nos lançamentos, o padrão standard está à frente, com 36,3% do total de apartamentos lançados. “O número total de lançamentos foi pouco expressivo justamente onde há maior deficit habitacional. Isso mostra dificuldade no financiamento e alto índice de burocracia para aprovação dos projetos e licenciamento ambiental, um dos nossos maiores desafios. A burocracia aumenta o ciclo conclusivo do produto e deixa as empresas com dificuldade de girar o estoque e gerar novos negócios”, detalha Geraldo Linhares, vice-presidente do Sinduscon-MG.
DivulgaçãoDesde outubro de 2016, não há registro de lançamento de imóveis comerciais em Belo Horizonte e Nova Lima. Entre janeiro e outubro daquele ano, 86 unidades comerciais foram vendidas, o que indica que o segmento “queimou” estoque. Em função disso, o portfólio comercial sofreu redução de 24% e passou de 594 unidades, em outubro de 2016, para 451 no mesmo mês de 2017.
Com as expectativas de crescimento em 2018, a construtora Somattos pretende manter o ritmo de qualificação de sua força de vendas. Depois do sucesso das duas edições de 2017 do Centro de Treinamento Somattos, um seminário para consultores imobiliários, a empresa pretende realizar mais duas edições este ano, uma por semestre. Além disso, setores como Central de Leads, Fale Conosco e SAC terão atenção especial para promover o fortalecimento da percepção positiva da marca.
“Depois de grande estruturação nos setores de planejamento, gestão de obra e controle de compras, alcançamos uma precisão muito grande na estimativa dos prazos de entrega e dos custos. O intuito é reforçar a percepção desses valores de forma que o cliente saiba que pode contar com entregas pontuais, documentação completa e projetos de qualidade, ampliando ainda mais a competitividade da construtora”, explica a coordenador de marketing Carolina Lara. Para envolver toda a equipe nas perspectivas positivas para 2018, a Somattos inaugura sua nova sede até o fim do primeiro trimestre no Belvedere, com leiaute integrado e vista ainda mais inspiradora.
Diretor-presidente do Grupo EPO, Gilmar Dias dos Santos, também tem expectativas positivas para 2018, com a previsão de lançar dois empreendimentos residenciais – um no Sion e outro no Vale do Sereno–, além de dois edifícios comerciais no Santa Lúcia: o Mirador, que fará parte do Complexo Paisagem, e o Turim Empresarial. Além disso, será lançado um empreendimento com o conceito mixed use (residencial e comercial) em Contagem: o Contemporâneo. “Apesar de ter sido um ano árduo, fechamos o ciclo positivamente, com entregas de obra e lançamentos de sucesso. Além disso, implantamos nova estrutura de gestão interna, com a criação das unidades de negócios interdependentes, o que vai nos ajudar a melhorar a performance da empresa”, diz. 




Comentários