Especial imóveis

O futuro está ao norte

Região está na rota do crescimento metropolitano, atraindo empreendimentos residenciais e comerciais
Igor Basílio
207 - 05/03/2018

Jomar BragançaHá tempos que o Vetor Norte é um dos territórios de maior desenvolvimento da capital mineira. Formado por bairros das regiões de Venda Nova, Norte e Nordeste e pelas cidades de Lagoa Santa, Confins, Pedro Leopoldo, Jaboticatubas, Esmeraldas, entre outras, o núcleo começou a expansão há dez anos, com a revitalização do aeroporto internacional. Vieram depois a Linha Verde, a Cidade Administrativa e o Shopping Estação BH. E as perspectivas são de mais crescimento. Em 2010, a consultora Jurong, de Singapura, estimou que, até 2030, a região terá PIB de R$ 172 bilhões e vai gerar 400 mil empregos. Recentemente, a Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (ARMBH) concluiu o projeto de macrozoneamento metropolitano do Vetor Norte. “É um processo importante para elaboração de diretrizes de ocupação e uso do território, permitindo o desenvolvimento econômico sustentável. Além disso, temos o planejamento viário, grande linha dorsal para o progresso, que está em processo de elaboração e deve ser concluído em 2018”, destaca Flávia Mourão, diretora geral da ARMBH.
Diante desse cenário otimista, construtoras investem pesado na região. O Grupo EPO, por exemplo, detém empreendimentos residenciais e comerciais, a exemplo dos lotes de 1.000 m² do Lagoa Mansões Fase II, em Lagoa Santa. A empresa também aposta em centros comerciais e de serviços, como o Power Shopping Centerminas, no bairro União, em BH. Atualmente, realiza obras de expansão para a implantação do Yellow Outlet, que vai reunir marcas nacionais e internacionais com preços diferenciados. Após a expansão, o Centerminas espera atender mais de 4 milhões de visitantes por ano e faturar R$ 300 milhões por ano.
A EPO acredita que, ao alcançar a ocupação total, o centro de compras vai impactar diretamente na valorização da região. “O Centerminas está em uma área de, aproximadamente, 500 mil pessoas e de acesso fácil. Será uma excelente oportunidade de negócio, tanto para lojistas e investidores, quanto para o público”, destaca Gilmar Dias dos Santos, presidente do grupo. A outra etapa do empreendimento corresponde à Global Tower, torre comercial de
23 andares erguida a 50 m do shopping, com salas pequenas, médias e grandes, estacionamento com 297 vagas, bicicletário e previsão de heliponto. A ambição é oferecer um mix variado de lojas e serviços.
Pedro VilelaFelipe Bacelar, gestor de locações da EPO, acredita que a facilidade de acesso proporcionada pela Linha Verde, bem como melhorias nas avenidas Antônio Carlos e Cristiano Machado, projetos governamentais direcionados para a região e a disponibilidade de áreas para construção fazem com que o Vetor Norte atraia cada vez mais investimentos. “Retrato da expansão imobiliária que a capital mineira passou nas últimas décadas, a região continua uma grande tendência. A melhora da mobilidade e a construção da via 710 estão transformando o Vetor em um dos polos comerciais mais importantes”, pontua.
Outra empresa que marca presença é a construtora Morada Nova, que já lançou mais de 20 empreendimentos na região, com destaque para o Metropolitan Business Center, na
MG-010, próximo ao aeroporto. “Em breve, lançaremos a segunda etapa, com lotes de 1.000 m²,
infraestrutura completa, portaria 24h e espaço para convenções e eventos. Também teremos um condomínio no sentido da serra do Cipó e loteamentos urbanos em Lagoa Santa, com lotes a partir de 360 m²”, adianta Marina Carvalho, diretora do grupo.




Comentários