Artigo

Procura-se um presidente

Paulo Paiva
200 - 04/08/2017

Os avanços institucionais após a promulgação da Constituição Federal em 1988 não foram suficientes para garantir maior solidez aos
processos políticos. A instabilidade é consequência da frágil democracia. O impeachment de Dilma Rousseff aprofundou a cisão e acenderam-se as chamas da intolerância e do ódio, incompatíveis com a prática inerente à democracia de negociações entre interesses, ideologias e objetivos diversos. A crise política é grave, mas não, inusitada.


Iniciada com o suicídio de Getúlio, em 1954, a profunda crise prosseguiu até o golpe militar, em 1964. O país foi governado por oito presidentes nesses dez anos. Apenas JK cumpriu todo o mandato. No de Vargas, também exerceram a presidência Café Filho, Carlos Luz e Nereu Ramos. Jânio renunciou, sendo substituído interinamente por Ranieri Mazzilli, enquanto uma reforma constitucional de emergência criou o regime parlamentarista para que o vice-presidente Jango assumisse.


O plebiscito para o retorno ao presidencialismo antecedeu ao golpe militar. Corrupção, crise econômica, guerra fria, conflitos político-
ideológicos e interesses pessoais estavam nas raízes dessa crise institucional. A crise atual atinge também o comando do país. Um ex-presidente (Lula) está condenado por corrupção, uma presidente (Dilma), afastada, um ex-presidente da Câmara (Eduardo Cunha), preso e um ex-presidente do Senado (Renan Calheiros), sob investigação. O presidente Temer está denunciado pelo MPF por prática de corrupção no exercício do mandato. Se aceita a admissibilidade da denúncia pela Câmara dos Deputados, será afastado, durante investigação do STF. Quem assumirá a presidência? Rodrigo Janot tem menos de dois meses de mandato e muita munição para aprofundar a crise, como, por exemplo, enviar mais denúncias contra Temer e contra os presidentes da Câmara (Rodrigo Maia) e do Senado (Eunício Oliveira), que estão na linha de sucessão de Temer. Um ano após o impeachment de Dilma, agosto e setembro definirão o destino de Temer e o rumo da crise política.




Comentários