Zoom

Zoom

Dalila Coelho, Lucas Rocha e Maíra Leni
205 - 05/01/2018

Pedro VilelaCarona tecnológica
Pensando em facilitar a vida dos estudantes, o matemático Gustavo Peconick desenvolveu um aplicativo que promete substituir os movimentados grupos de carona do WhatsApp. O Ecomova é um aplicativo voltado apenas para a comunidade universitária e visa conectar pessoas que fazem a mesma rota até a faculdade e precisam ou podem oferecer uma vaga. “A ideia surgiu quando eu ainda era estudante e percebia a dificuldade em conseguir carona”, recorda Peconick. Por enquanto disponível apenas para membros da UFMG, o plano é expandir o aplicativo para outras instituições e disponibilizar também uma forma de pagamento on-line, de forma que o motorista possa compartilhar os custos.

Pedro VilelaDoce vida
Cliente de longa data dos chocolates Kopenhagen – cuja fábrica, vale lembrar, está instalada em Extrema, no Sul de Minas –, o empresário Leonardo Sales comemora um ano de sua própria franquia. Localizada no Santo Agostinho, nos arredores da praça da Assembleia, a loja se destaca pelo formato. “Diferente das outras unidades da marca na cidade, que são quadradas ou retangulares, a minha tem a fachada circular, o que permite aos clientes ter visão de 360° dos produtos”, revela o dono. Leonardo está tão satisfeito com o negócio que planeja abrir mais dois pontos em BH este ano: os novos endereços são guardados sob sigilo.

alexandre + cristina lima fotografiaEterna lua de mel
Traçar o perfil dos noivos, dar suporte aos preparativos e alinhar uma equipe. Essas são algumas das tarefas da assessora matrimonial Juliana Freitas. No fim de 2017, a moça escolheu a República Dominicana para gravar mais um episódio da websérie Love connection Brazil, projeto de conteúdo virtual com novidades do universo casamenteiro. Formada em hotelaria e eventos, Juliana garante que o sucesso depende exclusivamente de entender o perfil do cliente e de apresentar as possibilidades dentro da realidade do casal. “Meu trabalho, já há nove anos, é trilhar caminhos para criar momentos felizes”, diz Juliana, que coleciona 400 casamentos assessorados.

 Bruna Brandão

Empreendedorismo carnavalesco
Cada vez maior, o Carnaval belo-horizontino deixou de ser sinônimo apenas de folia para, também, gerar negócios. É o caso da loja Estação Carnaval, que, em novembro, trocou as vendas nas redes sociais para um endereço sazonal na avenida Álvares Cabral. Versátil, a casa reúne marcas festeiras como Viva Bossa, A Glitterista, Benedita Acessórios e D’oya Agbe, facilitando a dinâmica de encomendas, entregas, composição de looks e fantasias, além de dar espaço para pequenos empresários e produtos oficiais dos blocos. “Tem gente que passa em frente e entra para ver, pessoas que conheciam uma marca e passam a conhecer as outras. Uma divulga a outra e acabamos nos fortalecendo”, conta Flávia Ruas (segunda à dir.), da Viva Bossa. E revela: não descarta estender a duração da loja para além do Carnaval.

 allec gomesHumor consciente
Eraldo Fontiny fez seu primeiro teste de teatro, aos 15 anos, só por curiosidade. De lá para cá, duas décadas se passaram e o ator e radialista belo-horizontino conquistou peças lotadas, participações em programas de TV e até os próprios programas de rádio. Sua personagem de maior sucesso, a espevitada menina Lili, debuta este ano, cheia de maturidade. É que, para além da diversão, o ator quer passar mensagens importantes. “O humor brasileiro, em geral, não acrescenta nada. Quero sair da zona de conforto e mostrar as críticas que existem por trás dos personagens”, problematiza.




Comentários