Paulo Cesar de Oliveira

Basta à violência

Imagem de Peggy und Marco Lachmann-Anke por Pixabay

 

          O que fazer eu não sei, sei apenas que algo precisa ser feito. Falo da violência que assusta e que faz vítimas em todo o país. Diariamente nos deparamos com um caso de violência envolvendo pessoas de todos os níveis sociais, vítimas e atores de todo tipo de maldade, contra humanos e, não nos esqueçamos, animais. A banalização das agressões, dos assaltos, estupros, mortes causa apreensão e um perigoso sentimento de vingança, seja, pessoal ou através da atuação do Estado, que só agrava o quadro de beligerância e, não raras vezes, estimula os conflitos sociais.

         A sociedade precisa assumir o seu papel e colocar, com seriedade, o tema em suas discussões. Debates amplos, sem preconceitos e que possam levar à construção de um arcabouço jurídico que permita punir, não vingar, os que se envolvem com a violência de todo tipo. As redes sociais têm estimulado um debate de cartas marcadas contra a violência, induzindo ações contra os bandidos. Precisamos de ações, sim, mas dentro da lei. Claro está que nossa legislação – ou seria a pouca atuação do Estado – não tem sido suficiente para punir com rigor, e com isto desestimular a prática da violência de toda ordem.

A sociedade precisa assumir o seu papel e colocar, com seriedade, o tema em suas discussões

         Precisamos discutir seriamente o assunto entre nós, povo, para depois cobrar dos políticos a regulamentação de medidas que efetivamente coíbam a violência, punindo com rigor os que a praticam. Basta de morte de inocentes. De crianças. De golpes financeiros pela internet – isso é sim uma violência – de estupros. De roubos, de cerceamento de direitos do cidadão. A sociedade precisa acordar. Não pode continuar esperando ações dos políticos. As preocupações deles são outras. Bem outras.